sábado, 10 de dezembro de 2011

Um dia vais olhar para trás e reparar que algum dia a tua vida, foi injusta, que algum dia tudo desmoronou,que algum dia o sol não nasceu e o dia tornou se o pior de sempre.
Tornou se o dia mais triste, marcado por lágrimas, marcado por longos abraços e pequenos sentimentos...Um dia vais reparar que nem sempre reagimos, que muitas vezes nem sabemos o que fazer, nem vivemos bem o ultimo momento, acabamos por ser humanos, por nos interrogar sobre tudo o que fez algum dia sentido e hoje já não faz. Acabamos por tornar a dor mais pequena culpando os que nos abandonam. Não é correcto, não é certo fingirmos que algo não aconteceu só porque não o queremos encarar...
Não posso ignorar a tua ausência, não posso continuar a acreditar que voltaras para junto de mim. Isso já não é possível, a morte não tem nenhum retorno a vida ainda tem algum remédio. Por isso, acho que tenho de encarar que tu não me abandonas-te, apenas  porque já não querias viver mais... Por vezes culpo me por teres desistido de viver, por vezes ainda te culpo, ainda te acuso de seres tão fraca que não aguentas-te viver.
Desculpa por todos os dias que te culpei de teres vacilado, não tenho esse direito.
Quero apenas que tenhas em mente que eu sofri pouco na altura mas não era porque não fosses importante, mas porque queria tratar de todos e fui me esquecedo de mim. 
Sinto a tua falta, em todos os dias... E de cada vez que o telefone toca eu ainda acho que podes ser tu, eu ainda sinto a tua falta e já passou tanto tempo desde que partis-te. 
Acho que o que eu senti foi uma grande admiração por ti, acho que gostei de ti e enquanto tu vives te eu mostrei te o meu amor sempre. Hoje tu já não estas aqui e eu sofro imenso com a tua falta, e sempre que penso em ti o meu coração ainda se oprime tanto que se torna difícil respirar. A dor não passa e as saudades também não.
O que poderá acontecer é eu aceitar que tu morreste e com o tempo me conforme com a ideia. Não penses que me vou esquecer de ti,isso será impossível.

Sem comentários:

Enviar um comentário